Postagens

Devemos anticoagular o paciente renal crônico portador de FA?

Imagem
Ainda é desconhecido a real prevalência de pacientes com doença renal crônica (DRC) no Brasil. Ana Marinho e cols 1, em 2017, descreveram que cerca de 3 a 6 milhões de brasileiros são portadores de DRC,destes mais de 100mil em terapia dialítica. Por outro lado,estima-se que 10% dos pacientes com doença renal crônica dialítica sejam portadores de fibrilação atrial (FA). A grande questão é: devemos anticoagular nosso paciente dialítico portador de FA? Pacientes em diálise têm maior incidência de acidente vascular encefálico (AVE) e em contrapartida, maior risco de sangramento, tornando a decisão pela anticoagulação um assunto cada vez mais debatido e complexo. Então na busca de respostas para nossa questão, foi realizado uma meta-análise publicada no JACC2 este ano, “ Oral Anticoagulation for Patients With Atrial Fibrillation on Long-Term Hemodialysis”. Para essa meta-análise foi realizado pesquisa no MEDLINE e no EMBASE, totalizando 1.481 estudos, envolvendo uma população de 71.877 paci…

O sal e doenças cardiovasculares, culpado ou inocente?

Imagem
Os termos sal e sódio (1 g de sódio = 2,5 g de sal) são frequentemente usados de forma intercambiável. No entanto, com base no peso, o sal compreende 40% de sódio e 60% de cloreto, sendo a sua principal fonte, a dieta (90%). Antes de entrarmos no cerne do problema, é necessário um breve contexto histórico. Por milhares de anos, a única fonte de sal para os humanos era o mineral encontrado naturalmente nos alimentos, sendo a ingesta estimada em 0,5g/dia por cada indivíduo. Com o passar dos séculos, após a descoberta de suas propriedades conservantes, há cerca de 5.000 anos, o sal gradualmente se tornou a mercadoria mais tributada e comercializada no mundo. A partir disso, a alta ingesta de sal, por várias vias complexas e interconectadas, está relacionada a danos nos órgãos-alvo, resultando em doenças cardiovasculares e outras doenças crônicas. Mas os estudos observacionais e randomizados concordam com esta afirmação?  O principal problema metodológico dos estudos epidemiológicos envolv…

Uso de dupla mamária em cirurgia de revascularização: rotina ou em casos especiais?

Imagem
Pergunto a você caro leitor: quando pensar em utilizar enxerto bilateral da artéria mamária em paciente que irá ser submetido a cirurgia de revascularização do miocárdio? 
Alguns irão refletir sobre o  risco de complicações, principalmente relacionadas ao aumento de infecção do esterno e questionar o cirurgião optando por esta técnica em pacientes mais jovens, magros e sem diabetes mellitus, dentre outras características. 
Alguns irão recordar o estudo ART (Randomized Trial of Bilateral versus Single Internal-Thoracic-Artery Grafts)1. O ART trial, publicado em 2016, concluiu que, em pacientes submetidos a cirurgia de revascularização do miocárdio, não foi observado diferença significativa em desfechos clínicos (mortalidade, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral) entre enxerto único ou bilateral da artéria torácica interna em 05 anos de acompanhamento (análise interina). Assim como, Taggart e cols2, não encontraram benefício do enxerto bilateral na mortalidade por todas as ca…

Posso beber doutor?

Imagem
Meu paciente com fibrilação atrial paroxística questiona: posso beber doutor?
A fibrilação atrial (FA) é a arritmia mais comum em adultos sendo rotulada por alguns especialistas com uma “epidemia”. Atualmente com prevalência em torno de 3% em adultos com idade > 20 anos e previsão de aumento importante (100%) nas próximas 4 décadas. Diversos artigos observacionais identificam vários fatores de risco para o desenvolvimento de FA, dentre eles o consumo de álcool. 
A associação entre aumento do consumo de álcool e FA foi descrita pela primeira vez em 1978 por Ettinger, surgindo a denominação tão conhecida por todos nós: Síndrome do Coração do Pós Feriado (Holiday Heart Syndrome). Os autores descreveram aumento de internações devido a arritmias após consumo de bebidas alcoólicas nos feriados e finais de semana. Estudos posteriores apontam para um possível efeito linear da ingestão de álcool e FA. Em um deles, realizado na Suécia, prospectivo, com 79.019 participantes sem FA, demonstrou…

Morfina e desfechos cardiovasculares em pacientes com SCA sem supradesnivelamento do segmento ST submetidos à angiografia coronariana.

Imagem
Caro leitor, te faço uma pergunta: você faria este estudo? Quando fui interrogada a este respeito, minha resposta foi sim, pois estudos prévios sugerem interação medicamentosa da morfina com inibidor da P2Y12, podendo retardar a absorção e atenuar o efeito antiplaquetário deste medicamento tão importante. Além do mais, morfina tem sido recomendada para o tratamento da dor torácica aguda em pacientes com síndromes coronarianas agudas (SCA) desde o início do século XX, mesmo não havendo estudo que demonstre segurança clínica nesta população. Em janeiro de 2020 o artigo supracitado foi publicado no JACC1. Os autores testaram a hipótese de que o uso concomitante de morfina e clopidogrel está associado a um maior risco de eventos isquêmicos cardíacos. Para tal, utilizaram a base de dados do EARLY – ACS2 (N= 9.406 pacientes), tratando-se portanto de uma sub- análise post hoc. Neste artigo avaliaram 5.438 pacientes (cerca de 60% da população do EARLY-ACS) com SCA sem supra de ST que receberam …

Implante Transcateter de Valva Aórtica com prótese auto-expansível em paciente com Estenose Aórtica Severa não-calcífica

Imagem

ESTUDO DE COORTE CANADENSE DE DISSECÇÃO DE ARTÉRIA CORONÁRIA ESPONTÂNEA: RESULTADOS INTRA-HOSPITALARES EM 30 DIAS.

Imagem
A dissecção espontânea da artéria coronária (DEAC) é uma condição pouco compreendida que frequentemente afeta mulheres jovens sem fatores de risco cardiovascular e pode causar infarto do miocárdio, parada cardíaca ou morte. É definida como uma separação espontânea, não traumática, não-iatrogênica e não aterosclerótica da parede arterial coronáriana por hemorragia intramural, que pode ser desencadeada por ruptura da íntima ou hemorragia espontânea. Isso cria uma falsa luz com hematoma intramural que comprime o lúmen verdadeiro causando isquemia miocárdica ou infarto.          O relato anterior de DEAC é raro, entretanto, foi subdiagnosticado e a verdadeira prevalência é desconhecida. As publicações são limitadas principalmente a relatos de casos e séries não prospectivas, com ausência de dados de ensaios randomizados.  Não satisfeito com isto, essa coorte objetivou descrever a história natural da DEAC e fornecer a justificativa e a base para futuros ensaios clínicos randomiz…